domingo, setembro 25

Podia ser eu, mas é a Bri

Quando me arrefeceste o coração, fiz-me prometer que não ia deixar que voltasses a desabrigar-me do meu ninho para correr para o teu. E enquanto me tentava aquentar sozinha, foi quando me pareceste mais o amor da minha vida. Podes vir, podes vir visitar-me como tens feito, beijar-me as asas e aquentar-me durante dias. Contra o amor não sei lutar.

Bri

11 comentários:

  1. Que doçura, sempre doce as tuas palavras <3

    ResponderEliminar
  2. Parti: http://voucontarteumsegredo-s.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  3. "Contra o amor não sei lutar." oh esta lindo

    ResponderEliminar
  4. que texto fantástico.
    o meu blog está activo novamente.
    um beijinho *

    ResponderEliminar
  5. "contra o amor não sei lutar" óh doce mafalda, quem sabe tal coisa? o amor ou o ódio vencem sempre qualquer batalha. um leve beijo nostálgico*

    ResponderEliminar
  6. É uma chatice quando o coração se habitua a certas temperaturas (pior ainda quando não correspondem com as de um termómetro)

    *

    ResponderEliminar
  7. Mafalda, só por curiosidade: tens heterónimos ou pseudónimos?

    ResponderEliminar
  8. Tenho saudades tuas, Mafalda alma de pássaro

    ResponderEliminar
  9. contra o amor, ninguem sabe lutar...
    é uma batalha com derrota certa, a gente sempre perde pro amor, ou na verdade, sai ganhando...

    ResponderEliminar