sábado, julho 2

Eram ninhos II

- Tu para mim vais ser sempre um pássaro frágil e intocável. Devias estar naquelas caixinhas que proibiam o toque dos outros. Longe do toque mas perto da vista, muito perto, para embelezar os olhos dos outros.
- Falas assim e quase me parece amor.
- E isto é amor.
- Então o amor deixou de te chegar.
- Eu ainda não quero que toquem em ti, ainda quero ser a única alma voante a tocar em ti. Aliás eu devia poder ser o único a podê-lo para evitar que te magoassem.
- Deixaste de saber lidar bem com o amor, não foi? Lidar bem ou sentir que era bom. Deixaste de gostar de te preocupares se havia outra alma de pássaro que me podia querer tocar. O amor dá trabalho e deixaste de querer tê-lo. Mas nunca quiseste que me tocassem para não me magoar e esqueceste-te de aplicar essa regra em ti.
- Esqueci-me?
- Magoaste-me, tu magoaste-me. Já viste a ironia da situação? Nunca quiseste que me tocassem para não me manchar as asas e acabaste por ser tu a tornar os meus olhos de cristal. Acabaste por ser tu a parti-los em lágrimas. Um pássaro triste, um pássaro de almas cortadas.
- Queria ter evitado isso.
- Como quiseste evitar o meu contacto com outros céus. A dor era-me necessária para agora não me doer tanto abandonar este ninho, este ninho onde já nem queres parar para amar.
- Eu ainda quero estar por perto.
- Mas a minha alma de pássaro já não sabe se te quer ter por perto. É demais cristalizarem-me os olhos, é demais cortarem-me as asas, é demais pegarem num pássaro tão frágil e deixarem-no cair. É demais o que fizeste comigo. É demais eu tê-lo permitido por amor.
- Ainda consegues sentir amor por mim?
- Ainda não consigo deixar de me preocupar contigo. Ainda consigo ouvir o meu coração fora de mim a ansiar que passes pelo nosso ninho, ainda.
- E quando é que isso passa?
- Quando conseguir voar para fora deste ninho, mas não por tempos indefinidos, quando o conseguir sem voltar para ver se estás bem, por um tempo definitivo.
- Isso vai acontecer?
- Com o recuperar das asas vai. As minhas asas são o meu coração e tu cortaste-as quando te ausentaste do nosso ninho. Gostava do nosso ninho mais do que qualquer coisa, mais do que das minhas asas. Gostava mais de amar as tuas asas, o teu coração. Mas agora sozinha, preciso de novo das minhas asas, o nosso ninho já não chega, já não estás cá.
- Parece-me a mim que não encontras sentido para me teres amado.
- Está tudo muito obscuro, está-me muito longe da vista, muito, se é que ainda se pode olhar com uma visão tão cristalizada. Estou magoada. O sentido do amor está longe de me acalmar a dor. Estou sem asas, não penso com o coração, não o tenho. Teve sentido antes, quando o nosso ninho era a nossa casa, mas agora sou eu e os céus. Quero ser eu e os céus, quando recuperar as asas, para poder recuperar a fé no amor. Fui uma amante do amor, apaixonei-me por me ter apaixonado por ti.
- Como é que eu deixei escapar isso?
- Da mesma forma que eu deixei escapar o céu. Eu sou uma alma de pássaro e só o céu devia-me ser o suficiente. Mas nunca chega o que temos, nunca, nunca nos é bastante, somos insatisfeitos por natureza. Queremos sempre mais, mas queremos sempre o mesmo, chegamos sempre ao mesmo ponto, queremos o amor seja de que forma for.

81 comentários:

  1. E é assim que tem que ser minha querida (:

    ResponderEliminar
  2. Se soubesses como gostava de ter o meu ninho de volta... O problema é que o meu companheiro de casa celou-me as asas, amarrou-as uma à outra e não me deixou sair mais de lá, e eu, inocente pássaro deixei e entreguei todo o meu coração e alma. Agora quero voar e ele não me deixa, que esticar as asas e ele diz que não é motivo para sair do ninho, que devo ficar com ele a guardá-lo e a protegê-lo... Mas eu quero voar e conhecer aquilo que fiz com que torna-se o mundo ignorante aos meus olhos.

    (amei!)

    ResponderEliminar
  3. já? ai que bom. vais ver que vai ser interessante. é bom especialmente para guardares frases assim de repente, e para quando estás na cama à noite e de repente te dá uma daquelas crises,pumba,é só pegar nele e enchê-lo.

    ResponderEliminar
  4. é que é mesmo. mas isso,é um pouco relativo. porque eu compreendo que as pessoas se identifiquem muito e desde esse momento,as palavras passam a ser delas também. mas é bonito que se ponha aspas e autoria. não o fazer deixa-me triste.

    ResponderEliminar
  5. por acaso acertas-te nessa coisa do ser e não ser. não gostei muito deste ultimo mês,e preferia que fosse como Novembro,por exemplo.

    ResponderEliminar
  6. como é que tu consegues dizer sempre tudo?

    ResponderEliminar
  7. ando melhor sim. parece que tudo, aos poucos e poucos, se vai recompondo, talvez não da mesma maneira, mas de uma outra.

    ResponderEliminar
  8. obrigada mesmo princesa.
    quem te cantava? é tão linda aquela musica, esquece!
    cátia lima
    silencio-do-segredo.blogspot.com

    ResponderEliminar
  9. hó minha querida mafalda, como tens o dom de me tocar com estas tuas harmoniosas palavras!

    ResponderEliminar
  10. eu ando no décimo segundo ainda, quero entrar em direito este ano. :) onde estás?
    ainda tenho muitas saudades dele, mas acho que vou aprendendo a viver c elas. E tu, como estás?
    {não consigo comentar c a minha conta de novo, sou a h.}

    ResponderEliminar
  11. Obrigada mesmo meu amor! :)
    Adoro sempre vir aqui ler as tuas palavras. Sei que nao estas a passar pela melhor das situaçoes, e por isso mais uma vez desejo-te muita força! Consigo sentir a tua dor, e sei o quanto custa.
    Mas acredito, como ja te disse antes, tu voltarás a voar, e encontrarás um novo ninho :)

    ResponderEliminar
  12. continua minha querida pois está fantástica :D

    ResponderEliminar
  13. aposto que te amou a sério, para te cantar aquela música tão linda :)
    cátia lima
    silencio-do-segredo.blogspot.com

    ResponderEliminar
  14. Gosto qdo dizes que "a dor era-me necessária" pq é a mais pura das verdades. Precisamos de senti-la para evoluirmos conscientemente. O tempo há-de levar-te a momentos melhores querida *

    ResponderEliminar
  15. eu namorei quase 3 anos, estive sozinha durante 1 ano e tal, tapei os buracos com eventuais namoriscos e nunca fui capaz de me apegar. Passavam meses, e voltava para ele. Magoava-me, atirava-me ao chão, e eu voltava sempre, como se me esquece-se do mal. Passado todo este tempo, 2 anos, voltei a conseguir gostar. Mas amar? é me dificil. Penso que sim, mas rápido caio na pura e cruel verdade, ele é o meu presente, e admiro tudo em si, mas não consigo faze-lo ser parte de mim como o meu primeiro amor. É uma sensação realmente terrivel, e já percebi como consegues entender isso. O amor, é dificil mesmo. E passados dois meses como é o teu caso, acredita, não para te desanimar, mas pela minha experiência, vais sentir imensa falta do afecto. Vais querer ter algo, mas no fundo não consegues apegar-te o suficiente, continuarás a temer sofrer, apesar do que necessitamos realmente é de um sentimento completo, amor e dor, é isso que o caracteriza, cair e levantar, ao lado de alguem. Não é só felicidade, é discussões por ciumes, é saudade na distância, é amar.

    Infelizmente, não consigo alcançá-lo, aquele sentimento puro.

    Obrigada por me entenderes tão bem, e por teres partilhado a tua experiência, beijo

    ResponderEliminar
  16. Percebi que terminou da forma mais cruel. Não podia ser. Ele entrar e sair da minha vida quando queria. Magoar-me assim. Chegou a fazer-me cenas inadmissíveis, como me ameaçar de morte, seguir-me, e tentar virar professores contra mim (ao que chega a infantilidade de um homem de 20 anos, como é possível). Cheguei a confessar que o amava durante meses. Afastava-me e voltava. Até que decidi que o melhor para mim era cortarmos relações. Ele pode ter sido a pessoa que mais amei, mas foi também a que mais me desiludiu. Actualmente ficou o carinho pelo que tivemos, nunca irei esquecer, mas não ficou afecto nenhum por ele. O amor doentio que sentíamos virou-se contra nós de certa forma. Não penso em voltar. Por vezes tento recordar a que sabiam os beijos dele, o que sentia no quente do seu abraço, e já pouco recordo. Recordo sim tudo de bom que ele me proporcionava, como a segurança e a descoberta constante. Ouvir as palavras que nunca nos disseram, sermos únicas para alguém.
    Agora, só queria voltar a sentir o mesmo pelo meu namorado. Porque ele merece mais do que eu lhe consigo realmente oferecer, e considero-o muito mais maduro do que o meu ex, muito mais terra a terra, muito mais consciente.
    Consegues esquecer, não é impossível. O tempo cura tudo. Cais mas levantas-te. Difícil é voltar a subir para a bicicleta.

    ResponderEliminar
  17. É verdade. Pelo que me dizes, todo esse sentimento é muito presente, e relativamente a referires que te afastaste por tempo de mais, compreendo perfeitamente. Surgem alturas que somos como peixes. Somos pescadas, naquela rede nova e sombria, queremos descobrir tudo. Vagueamos nela durante um tempo indefinido até que, a certo ponto, já nada mais temos para descobrir de “novo”, e queremos voltar ao mar. Voltar a ser cobiçadas por outros pescadores, querer conhecer novas tendas. Mas, uma vez que a não à nada como a primeira escolha, voltamos sempre para o quentinho e acolhedor da rede primaria. Eu por muito que fosse obsessiva a minha relação - que agora sinto que era impossível voltar a aguentar certas atitudes - valorizei a forma pela qual me apaixonei, no inicio ele era uma pessoa completamente normal, não me proibia de ter amigos, nem me ameaçava.
    Tu sentes essa saudade frequente de o ter contigo, sentir que o conheces como a ti mesma e que sabes o que dizer para o confortar. A preocupação está presente, e sempre estará, porque ele durante muito tempo, foi o teu porto de abrigo assim como tu o dele. Ele pode ter-te magoado, mas nós mulheres somos um ser controverso. Na relação valorizamos o que temos e acontece de mau, quando perdemos ou terminamos, pensamos no bom que perdemos.
    Relativamente ao facto de falar com ele, a resposta é me muito clara. Não falamos. Nem um ai, e ele fez melhorias na minha turma este ano. E já não falamos faz uns sete meses.

    ResponderEliminar
  18. o que eu mais quero, é que os partilhes comigo princesinha :)

    ResponderEliminar
  19. Sim, estou bem :)
    No Sabado a noite, houve uma festa da "terra", e ví-o. O primo cumprimentou-me, mas ele andou ao pé de mim, porque um amigo meu é amigo de um amigo dele, mas ignorou-me e fez de conta que eu não estava alí. Resumindo, cheguei a casa fula, postei no blog, e hoje quando cheguei da festa de hoje, ví um comentário nesse post. (Se fores vês), mas foi isto: "you are not inviseble, I just dont know what to do when I saw you. I dont want to break your space. sorry." em anónimo, mas só pode ser ele - ele visita o meu blog ainda às vezes. Portanto, ya, já fiz 3 posts à conta do meu choque/surpresa/nojo/raiva. Mas nem quero analizar muito o sucedido, senão dá-me um nó no cérebro.
    Mas sinceramente, nem quero saber mais nada. A conclusao é que ele cagou e nao me merece, e eu nao quero mais nada com ele. Nem que ele viesse com milhares de rosas e mil desculpas.

    ps: Nao sei porque, nao consigo comentar nos teus blogs com a minha conta! Escolho a opcao "conta do Google" e sempre que faco o login, nao aparece nada no blog e aquilo nao envia -.-

    ResponderEliminar
  20. às vezes gostava que a esperança acabasse de vez, podia sofrer (ainda mais) por momentos, mas não ia sofrendo aos pouquinhos na espera constante por quem não volta

    ResponderEliminar
  21. «Fui uma amante do amor, apaixonei-me por me ter apaixonado por ti.» És tão linda Mafalda, e acredito que ainda possas retornar ao ninho que no fundo tanto desejas, mesmo que te negues a isso. sabes do que falo.

    <3

    ResponderEliminar
  22. tão bonita aquela música. se te canta isso é porque és especial :) *
    cátia lima
    SILÊNCIO

    ResponderEliminar
  23. Ohhh Mafalda, o mesmo digo-te eu. Passo por aqui e fico tentada a ler. Até que tenho mesmo de ler. E, gradualmente, desfaço-me nas tuas palavras. E estes teus «diálogos de pássaros»... Em quantas metáforas aqui escondidas eu já encontrei o meu reflexo?! Possivelmente, em quase todas elas. Doces, doces palavras as tuas. Doces e, ao mesmo tempo, tão reais, tão verdade... Como eu gosto das tuas palavras! Gosto, gosto muito!

    ResponderEliminar
  24. adorei *--*
    está lindissimos
    "a minha alma de pássaro já não sabe se te quer ter por perto."
    também devo ter uma alma de pássaro.

    ResponderEliminar
  25. A coisa boa de ir de férias e deixar de visitar o blog lindinho da Mafalda por uns tempos, é que quando regresso tenho imensos textos para ler ! (:

    ADOREI!

    ResponderEliminar
  26. minha escritora favorita! :P
    já te disse que adoro sempre tudo o que escreves?
    lá está. <3

    ResponderEliminar
  27. oh, eu não gosto nada de me sentir assim...mas é bom saber que há mais gente que passa pelo mesmo :) beijinho e obrigada minha querida.

    ResponderEliminar
  28. eu sinceramente não acredito muito :s

    ResponderEliminar
  29. tento tentado, mas nao tem sido facil. A cada dia que passa vou ficando melhor, o tempo ajuda sempre. E tu como estas querida?

    ResponderEliminar
  30. tenho novidades, sabes? tenho novidades.
    fala-me assim que possas, minha pequena*

    ResponderEliminar
  31. carregas em ti toda a razão do mundo, minha querida mafalda. dizem que a esperança é a última a morrer, mas isso não quer dizer que ela não morra - e ela morre de facto, embora lentamente e dolorosamente.

    ResponderEliminar
  32. tudo o que vem do coração é bonito * obrigada princesa.
    cátia lima
    SILÊNCIO

    ResponderEliminar
  33. a parte final: "Mas nunca chega o que temos, nunca, nunca nos é bastante, somos insatisfeitos por natureza. Queremos sempre mais, mas queremos sempre o mesmo, chegamos sempre ao mesmo ponto, queremos o amor seja de que forma for." - tão verdade, adorei, adorei mafalda :)

    ResponderEliminar
  34. e eu também gostava que tivesses ido. foi pena então! ah e obrigada,linda linda és tu

    ResponderEliminar
  35. Os teus diálogos são sempre extremamente fortes. E deixa-me que te diga que é tão bom chegar a casa e ler o que me escreves. Sabe-me sempre pela vida, sweet Mafalda.

    ResponderEliminar
  36. e eu fico mesmo mesmo feliz por saber isso :)

    ResponderEliminar
  37. o barco persiste em não vir e isso vai matando lentamente a esperança que - ainda - carrego ao peito. e temos sim de ser firmes, porque todos caímos, mas apenas os fortes têm coragem para se levantar mesmo que isso possibilite voltar a cair.

    ResponderEliminar
  38. muito obrigada querida mafalda :) *

    ResponderEliminar
  39. no que depender de mim não acaba, princesinha (: passar por este blog é uma rotina que não pretendo abandonar!

    ResponderEliminar
  40. oh, muito obrigada princesa linda *.*

    ResponderEliminar
  41. muito obrigada:)
    OMG eu tenho que ler os teus textinhos, amanhã sem falta, vou ler isto dos ninhos:)

    ResponderEliminar
  42. oh minha Mafalda, se tu soubesses o que eu vim a saber; se tu soubesses o quão oposto foi a nossa história após a separação, se tu soubesses...
    Fui obrigada a tornar-me mais forte, mas hoje, sinto falta de algo que não sei o que é *

    ResponderEliminar
  43. Mafalda, mas tu sabes voar assim. Pela força das tuas palavras, deves ter uma personalidade tão única quanto fantástica. E forte também. Podes talvez não o saber, mas acredita que há força dentro de ti. E, se acreditares, um dia voas tão ou mais alto que eu. Eu acredito nisso, na força que vem do nosso interior, da força que qualquer sonho nos dá!
    E, pela milésima vez, obrigada. Obrigada por seres presença assídua no meu blog e por seres sempre tão doce nas tuas palavras. :)

    ResponderEliminar
  44. lindo, adorei :D
    escreves mesmo bem Mafalda. b
    eijinho ;)

    ResponderEliminar
  45. Muito obrigada, minha querida :) E sempre bom ver um comentário teu. E, mais uma vez, fico encantada com estes diálogos que aqui postas!
    Grande beijinho

    ResponderEliminar
  46. De nada querida, fico contente por te fazer sentir melhor :) gosto de pensar que te estou a ajudar neste momento dificil! E deves acreditar sempre no amor e nunca desistir dele. Sim, o amor pode dar-nos um grande sofrimento, mas também dá-nos os melhores momentos de felicidade. Não te esqueças disso (:

    ResponderEliminar
  47. eu ontem passei-me, disse-lhe tudo o que pensava, e acabei com a minha espera inútil, e por estranho que pareça hoje sinto-me muito melhor.
    eu quero ir para a faculdade de direito da nova. :)
    h.

    ResponderEliminar
  48. Eu até me surpreendia se essas tuas palavras não atingissem o meu coração <3

    ResponderEliminar
  49. Mafalda eu recebi o que disseste no msn. Mas acho que nao recebeste o que eu disse :x
    Assim que fores lá volta a falar

    ResponderEliminar
  50. Sim querida, quero voar, voar para bem longe. Não sei se gosto do meu amor por ele, ou apenas comecei a desprezar aquilo que ele sentia por mim depois de tudo o que aconteceu.
    Ele não aceita a mudança, não aceita que me dê a outras pessoas, basicamente quer-me só para ele, e já lá vão três anos assim.
    Sinto-me cansada das mensagens dele, de falar com ele, queria que ele me deixasse em paz. Mas quando estamos juntos sinto-me tão bem! O que se passa com a minha cabeça querida?...

    ResponderEliminar
  51. mafalda, vou reactivar esse blog :)
    desculpa ter demorado tanto a responder*

    ResponderEliminar