domingo, junho 19

Como uma carta II

R.,

Escrevo-te aqui – em silêncio – como nos tempos que ainda estavas por perto. A diferença está que agora eu escrevo-te enquanto exibes para o povo o teu novo ser e eu fico por aqui a lamentar o tempo em que decidiste ausentar-te de mim. E que falta esse teu tu podia fazer em mim, não fosse esta outra dor maior do que a de não estares aqui. Esta de trocares o amor.
Mas começam a faltar-me as palavras, ou começam a ficar-me gastas. Como este amor. Gastas como se estas se tratassem de solas de sapatos velhas, as palavras. Ou as solas, como se eu gostasse muito daqueles sapatos e só os quisesse usar. Como as palavras, como se gostasse muitos delas e de te as dirigir e acabasse por gastá-las. Tal e qual como se gostasse muito de ti e só quisesse ficar contigo, mesmo com as palavras gastas como solas de sapatos. Mesmo connosco apagados.
Mas antes fosse só as palavras e tão pouco este amor. Foste o meu primeiro e único amor. O tempo não deu espaço para mais, não tivesses tu sido mais aliciante que a duração. Mas antes preferia que o tempo no mundo se tivesse gasto do que este amor que quase jurei perpétuo. Antes queria que as palavras acabassem e só se concebessem gestos, antes queria isso do que ver este amor gastar-se.
Mas eu devia ter sido mais esperta que o tempo, sabes, eu podia ter-me despedido numa outra vez em que quiseste partir (ou eu) e assim não se teriam perdido os gestos ou palavras. Talvez assim eu ainda te conseguisse amar por o saber exprimir ou tu pudesses caminhar por saberes falar. Talvez eu ainda possuísse as palavras e tu os gestos. Talvez eu ainda te pudesse falar e tu ainda me pudesses tocar.
O tempo já não me deixa saber e tudo o que sei do espaço é que está deserto. Costumas saber-me a saudade mas hoje só me sabes a um buraco em branco. Deve ser isso o deserto, um espaço por coabitar. E se for é tão parecido comigo, também eu um vazio. Um espaço por preencher.
Se calhar não há falta de gestos, não falta de palavras, se calhar sou eu que sou um corpo vazio de vida e cheio de amor - amor este que já não me leva a lado nenhum. É isso R. não é? Ainda te vejo cheio de vida mas tão oco de amor. Sou eu que sou possuidora de um amor vazio, um amor que só podia ser cheio se tu não te tivesses ausentado, sou eu tão vazia de vida por já não saber articular-me para outra direcção. E és tu tão cheio de vida por te teres movimentado para outro amor, mas tão vazio por te fazeres desconhecedor de que o amor só o tens comigo. Mas eu vazia ainda sou tua e tu cheio és tão pouco meu. Não devia ter sido eu a prender-me ao amor, talvez assim pudesse não ser tua.
Oh R. cada vez tenho menos saudades de sermos cheios. Oh R. cada vez quero mais ser coabitada neste meu espaço tão vazio de vida. Oh R. cada vez quero mais que o vento leve este amor para que não seja mais tua – já que ainda só o sou por ainda te amar.
Ainda te amar mas já não querer este amor pelo deserto que é. Pelo deserto que é amar alguém mas ter um buraco vazio. Pelo gelo que é amar-te. Oh se ainda te amo R., se amo. Ai mas como não sinto vontade de o fazer. Pelo frio que é amar alguém que desiste de nós. E alguém que nos ama, alguém que nos ama e desiste de nos amar. Que frio que faz quando alguém que quer realmente ficar connosco desiste. Desiste por medo, por falta de coragem. Ai que deserto que é quando ficamos só com o nosso amor e sem o outro para amar.
E que bom seria já não sentir saudades tuas, como não quero senti-las. Oh se me fazes falta R. Já ninguém quer aquecer-se comigo. Oh todos sabem que vou ter sempre frio, todos sabem, porque nenhum é como tu. Mas podia ficar mais fácil quando vais embora: menos deserta, menos frio, menos amor. Mais cheia de outras coisas.

Menos (um bocadinho) tua,

Eu

118 comentários:

  1. "Mas eu devia ter sido mais esperta que o tempo, sabes, eu podia ter-me despedido numa outra vez em que quiseste partir (ou eu) e assim não se teriam perdido os gestos ou palavras. Talvez assim eu ainda te conseguisse amar por o saber exprimir ou tu pudesses caminhar por saberes falar. " LINDO!

    ResponderEliminar
  2. 0h filha, isto não vai propriamente de sorte, apesar qe é sempre bom tê.la xD Só não te agradeço pq dizem qe não se deve.↲;)

    ResponderEliminar
  3. vais escrevendo estes textos para te sentires aliviada e até teres coragem para te despedires concretamente dele. mas acho que está na altura de te inspirares e deixares de remoer nisto. sabes? por um lado faz-te bem,mas por outro também te faz mal. escreve,escreve em dias. Mas tenta aos poucos ires-te abstraindo. 4 anos é muito mesmo,sabemos que sim. Mas mafaldinha,neste momento é amares-te a ti própria.

    ResponderEliminar
  4. não peças desculpa,tudo o que seja deitado cá para fora,é bom. e sim,é sempre um processo lento. nem tinha a noção que tinha sido apenas há um mês. e é normal toda essa esperança porque acredita,mas acredita mesmo,que quando se ama ela parece que nunca se esgota. Ainda para mais quando conhecemos a pessoa que esteve ao nosso lado. E se estás farta de a ter e se não a queres ter,agarra-te a isso. Agarra-te ao que te magoou. Não é por serem 4 anos que vão garantir um futuro outra vez um ao lado um do outro. Esse amor feroz vai passar... e não te preocupes se amanhã estarás acompanhada pelas lágrimas porque elas também são uma boa companhia. descrevem-te. tens todo o meu apoio linda*

    ResponderEliminar
  5. exacto.
    ela aproveitou-se e parabéns para ela por isso.

    ResponderEliminar
  6. é mesmo muito forte, mesmo :l


    tens facebook, minha querida? <3

    ResponderEliminar
  7. - nem eu, já deve ser de mim por isso xD

    ResponderEliminar
  8. eles são o que nos faz sentir melhor e pior. odeio isso --'

    ResponderEliminar
  9. mesmo! mas neste caso acho que já tudo se foi :) obrigada.
    cátia lima
    silencio-do-segredo.blogspot.com

    ResponderEliminar
  10. Não, ele nunca mais vai voltar para mim. Estou a esquecê-lo. Foi de vez.
    Ainda tens duvidas que assim é? eu sempre achei e cada vez acho mais que as coisas n acontecem por acaso. ha sempre um motivo. Algo por trás disso

    ResponderEliminar
  11. oh mafalda, cada vez melhor!
    dizem tanto de mim estas cartas...

    ResponderEliminar
  12. como tens razão, minha querida mafalda. julgo que a situação em que nos deparamos não é muito diferente (e se assim o é) muita força que sabemos o quanto custa ver o nosso (grande) amor ir embora, sem dar certezas de retorno. (grande carta, está linda!)

    ResponderEliminar
  13. De facto, quatro anos é muita coisa! Mas agora só tens de enfrentar isso com coragem e determinação, e sei, embora agora pareça que não, o tempo acabará por afastar esses pensamentos para longe (':

    Cada vez gosto mais dos teus textinhos minha linda!

    ResponderEliminar
  14. quem ama espera, sofre, chora, desespera, luta, insiste, pressiste e não desiste, até ao dia em que percebe que não está a ser fraco por desistir, está a ser forte por continuar a viver!!

    ResponderEliminar
  15. eu espero bem que sim! :c
    adoro o texto*

    ResponderEliminar
  16. se descobrires primeiro que eu avisa-me!

    ResponderEliminar
  17. http://cristiana-life.blogspot.com/ passei-te um desafio (:

    ResponderEliminar
  18. adorei. concordo completamente com que a joana disse "vais escrevendo estes textos para te sentires aliviada e até teres coragem para te despedires concretamente dele". eu também estou nessa fase.

    ResponderEliminar
  19. quando reactivares avisa-me :P


    e olha, quero-te bem, e com força! não desistas de ti, nem do teu coração. <3

    ResponderEliminar
  20. andas onde? o meu problema é a média, e achar que nao vou gostar . Irrita-me, sinto-me impotente

    ResponderEliminar
  21. Anda a fazer-me bem, mas ao mesmo tempo anda a fazer-me mal. Os nossos corpos atraem-se completamente, mas o problema é que não sou só eu na vida dele neste momento entendes? Há uma outra pessoa que ele tenta esconder de mim, mas eu sei de tudo. Só que não lhe consigo dizer não quando ele dá as investidas dele para cima de mim, é mais forte q eu. :s

    quando reactivares, avisa-me :P

    ResponderEliminar
  22. Eu quero abrir o jogo, mas a coragem tem-me faltado. Esta adrenalina de nunca saber quando o encontrar é tão boa, que me trava um bocado nas decisões.

    Estou por aqui minha linda :)

    ResponderEliminar
  23. sim minha querida, é mesmo isso!
    é terrível, mas tão bom ao mesmo tempo.

    adicionada, agorinha mesmo!

    ResponderEliminar
  24. gostava de acreditar nessa força que tanto quero encontrar.

    ResponderEliminar
  25. todos me dizem que sou, eu é que não acredito em mim :s

    ResponderEliminar
  26. é exactamente isso. mas sou forte porque tenho pessoas fortes do meu lado.

    ResponderEliminar
  27. De nada :D , gostei mesmo (: , obrigada ^^

    ResponderEliminar
  28. Obrigada querida!
    As tuas cartas tocam-me imenso, parece que consigo sentir o teu sofrimento. Muita força minha querida!

    ResponderEliminar
  29. tens toda a razão, minha querida mafalda. o amor foi feito (digo eu) para ser eterno, as pessoas é que o banalizam ao ponto de ele não o ser. se as coisas acontecem por um motivo eu não sei, minha querida mafalda, mas um dia ouvi dizer - e concordei - que as coisas acontecem por uma razão, pode é não ser por uma boa razão.
    o tempo pode não apagar por completo, mas irá suavizar a dor que habita em nossas almas, temos de acreditar :)

    ResponderEliminar
  30. eu sei que depois destes 14 anos com eles muitos mais virão. obrigada pelos elogios, obrigada mesmo!

    ResponderEliminar
  31. e depois de confiarmos, há sempre o risco da coisa correr mal para o nosso lado.

    há muito tempo que não lia um texto assim tão grande, mas hoje decidi fazê-lo. e digo, há muito tempo que não lia um texto assim tão bonito, tão sincero, tão... tão tudo o que sempre quis dizer.
    "Que frio que faz quando alguém que quer realmente ficar connosco desiste. Desiste por medo, por falta de coragem. Ai que deserto que é quando ficamos só com o nosso amor e sem o outro para amar." - não o pude evitar, foi automática a forma como as lágrimas começaram a cair por ter vindo ao de cima tudo o que eu achava estar já ultrapassado.
    Desculpa o comentário grande, e parabéns pelo texto *

    ResponderEliminar
  32. se não o fizer por mim quem o fará?

    ResponderEliminar
  33. obrigada mafalda. és fantástica oh :)
    bem-vindo mesmo verão.
    cátia lima
    silencio-do-segredo.blogspot.com

    ResponderEliminar
  34. este não! é inventado. mas conheço um os dois casos semelhantes.

    ResponderEliminar
  35. Acredita que para mim diz mesmo tudo a imagem! Nem imaginas quantas vezes o passado me atormenta, custa-me muito ignorá-lo!

    ResponderEliminar
  36. então continua porque eu adoro escrever-vos:)

    ResponderEliminar
  37. penso que é uma junçao das duas sabes? tem de ser assim, avançar avançar

    ResponderEliminar
  38. o texto tem de retratar o que sinto, ora aí está ♥

    ResponderEliminar
  39. sim, mas também acho que a culpa disso não é SÓ das pessoas. acho que desde as médias escolares que quase transformam a sociedade na sociedade das megamentes, às revistas/televisão/etc que cada vez se restringem mais aos chamados "corpos perfeitos" têm influencia no que as pessoas acham delas mesmas

    ResponderEliminar
  40. só passaram dois dias desde que isto aconteceu, mas muitos estão para vir. é seguir, sorrir à vida e com a ajuda do tempo esquecer.
    (manda-me um comentário com o teu e-mail :))

    ResponderEliminar
  41. já somos duas. ele diz umas quantas verdades :)

    ResponderEliminar
  42. de nada pequena, sei que não é grande coisa, mas no que puder ajudar estou aqui à disposição (':

    ResponderEliminar
  43. mil obrigadas meu anjo peloas tuas palavras salvadoras e por me entenderes como ninguém

    ResponderEliminar
  44. sim minha querida, e está a voltar sim. mas continuo a querer nao escrever tanto p ele, ou simplesmente excluir as etiquetas.
    se soubesses com adoro isto:)

    ResponderEliminar
  45. por cada palavra um OBRIGADO nem chega! :')<3

    ResponderEliminar
  46. concordo contigo quando disseste: "é que eu sempre achei (e acho) que se ama tão pouco" - as pessoas banalizam o amor de tal forma que deixam de amar (e ser amadas). e sim, tudo vai ficar bem nestes nossos teimosos corações que esperam pelo (talvez) impossível.

    ResponderEliminar
  47. eu sei que vai passar, mas custa tanto. :' eu bem que tento ser forte, mas só consigo pensar nele. é mm muito mau. ainda por cima, na altura que foi. o meu aniversário é sabado, e segunda tenho exame. -.- sinto-me tão sufocada!e tu, como estas?
    (não consigo comentar c a minha conta, sou a h., do to die by your side is such a heavenly way to die, querida.)

    ResponderEliminar
  48. obrigada, querida *
    força para ti também, pareces estar a precisar :/

    ResponderEliminar
  49. é como andar de bicicleta, nunca se esquece, só se perde a prática. é aqui que invocamos o nosso grande (ini)amigo e temos esperança que de alguma maneira ele nos possa vir a ajudar: o tempo

    ResponderEliminar
  50. obrigada querida, vamos ver no que dá, nã é? desistir é que nao pode ser

    ResponderEliminar
  51. andamos num barco que só não naufraga porque remamos contra a maré, com toda a força e com toda a garra. lutamos pelo nosso bem, se não o barco afunda e nós vamos presas a ele.

    ResponderEliminar
  52. esquece é tao lindo o que escreves. é uma letra de musica, mas tambem gosto muito apesar de ser triste.
    obrigada.
    cátia lima
    silencio-do-segredo.blogspot.com

    ResponderEliminar
  53. escreves c alma e coração, adoro !

    ResponderEliminar
  54. eu vou tentando proteger aqui o pequenino, mas ele é aventureiro :l

    ResponderEliminar
  55. sim infelizmente e verdade. ( by jecka)

    ResponderEliminar
  56. e não é que acertaste em tudo? será mau? será mau querer ser tudo e não me importar por nada ser?

    ResponderEliminar
  57. és sempre fantástica! obrigada por isso
    cátia lima
    SILENCIO.

    ResponderEliminar
  58. nao pretendia fazer-te chorar mas.. é bom saber que as minhas palavra conseguem tocar alguém.

    ResponderEliminar
  59. sim sei, tenho lido as tuas maravilhosas cartas *
    obrigada pelo comentário (:

    ResponderEliminar
  60. ohhh é tao bom ouvir isso vindo de ti ! (': eu tenho a mesma ideia de ti, és o tipo de pessoa, que mesmo sem se conhecer, emana uma energia tão positiva e natural que é impossível resistir a tanta adorabilidade (tenho quase a certeza que isto não existe xD) junta! :')

    ResponderEliminar
  61. Oh querida... Desculpa! Não queria que te tivesse trazido essa memória. Mas por vezes pequeninas coisas podem ajudar-nos a pôr algo para trás das costas (:

    ResponderEliminar
  62. às vezes nem sei onde vou busca-la *

    ResponderEliminar
  63. é preciso paciência para não mandar ja tudo à merda, que neste momento é o que mais me apetece!
    (assim que tiver pc falo contigo lá :))

    ResponderEliminar