quarta-feira, abril 13

Um grande amor nunca morre



Continuei a amar-te – ainda que em segredo – mesmo depois de te ver largar o meu coração – sem escrúpulos - continuei, incrédula, no mesmo sítio que tantas vezes tu foste e vieste, nós fomos e voltamos, eu fui e regressei. Fiquei eu, lá, de coração na mão, mas ainda assim a amar-te – mesmo que agora sejas tu com o teu orgulho e tu sem alma alguma – na avenida que podia ser a nossa casa, e talvez por isso, eu tenha permanecido lá, quebrada, mas sempre a amar-te – porque um grande amor nunca morre.
E ainda aqui estou, a ensaiar a apatia, para quando voltares a passar nesta avenida, e ainda me vires de coração na mão – embora esse seja o mal menor – e depois reparares que na outra mão, ainda puxo um filamento do outro coração - o teu mais concretamente - mas estou aqui, enferma, a ensaiar a indiferença, para quando voltares à avenida – aquela que podia ser a nossa casa – para reclamares o todo do teu coração, não veres que me estás a matar.
E se ainda não me viste, aqui deitada, sem interior algum, eu queria que me matasses devagarinho – se não fosse pedir muito - ver-te puxar filamento por filamento, preferia que fosse ao de leve, tal e qual da maneira como chegaste e curiosamente da maneira como foste – de mansinho.
Mas enquanto não vens, estou aqui, com o amor que nos sobrou e pouco - ou nenhum - amor-próprio. Mas pouco importa porque quero mais salvar o teu coração do que o meu, porque sem o teu coração, já não sou eu.
E embora, às vezes, pareça que já não tenho forças, mesmo que tu não tenhas vindo à nossa avenida, renunciar o teu coração, parece-me a mim que estás a levá-lo, a arrancá-lo sem piedade – como se o teu coração fosse uma corda. Mas mesmo que pareça prestes a ficar sem qualquer filamento teu, eu não posso desistir, porque eu prefiro esfolar os joelhos, apagar a alma e cansar o corpo, para o resto de nós não se romper e para correr atrás do que sobra de ti – porque tu és o meu grande amor e um grande amor nunca morre.
Não importa se eu morrer, só não podes morrer tu, porque tu vais ser o que vai restar do nosso amor, como prova, que um grande amor nunca morre - pelo menos não de todo.
Depois disso, de morrer, eu já posso ir renascer num outro corpo, porque tu serás o meu grande amor, mas só neste meu corpo - ou no que resta dele. Preciso de conquistar um pouco de amor-próprio, depois de morrer, e só poderei fazê-lo noutro corpo longe do teu. Porque se não seria de novo uma tentação, quereria então eu morrer depois de nos apaixonarmos, e de pouco depois, ficar outra vez de coração na mão. E um corpo a ressuscitar de um amor deste, daqueles amores nunca morrem, demora muito, muito mais do que eu possa contar. Porque um grande amor nunca morre. E eu hei-de morrer.


Este podia ser um recado meu para ti.

60 comentários:

  1. o melhor que já li desde o dia em que entrei cá. <3

    ResponderEliminar
  2. Sim, somos seres humanos e temos a necessidade de possuir e guardar só para nós aquilo que gostamos. No fundo, não sabemos gostar das coisas. Não as sabemos amar. Achamo-nos propriedades uns dos outros, ou pelo menos gostávamos que isso acontecesse. Não sei amar assim, sabes? Não gosto do amor desse jeito. Passa de algo bonito e doce a correntes que nos pesam a alma. E adorei tanto este texto, escreves muito, muito bem.

    ResponderEliminar
  3. é verdade linda, e esse sinal é bom demais! <3

    ResponderEliminar
  4. Sim estou querida, mas nao posso sair, estve internada! Tenho de te agradeçer por todos os comentários que tens feito, ultimamente ando sem tempo para responder, obrigada! Adoro este blog, parabéns (:

    ResponderEliminar
  5. Sim querida estou, mas como estive internada nao posso sair. Tenho de te agradeçer todos os comentários mas como tenho estado sem tempo para responder, nao o tenho feito. Obrigada! Adoro o teu blog, parabéns *

    ResponderEliminar
  6. Sim querida, começei a vomitar e desmaiar imenso. Estou em recuperação ainda, estou um bocadinho fraca, mas ando-me a alimentar bem, o que já está a dar uma valiosa ajuda. Agradeço sim, porque é com leitores como tu que eu cresço no modo como escrevo. Obrigada mesmo!

    ResponderEliminar
  7. Dá-nos estabilidade pensar que as coisas de que gostamos são nossas. Esquecemo-nos é que não há nada mais instável do que os sentimentos, do que os corações humanos. Efémeros, são efémeros em cada interstício. Mas, bem, a verdade é que gostamos muito de algumas pessoas, não é? E quando se gosta, nunca se quer perder. Ohhh Mafalda, soube-me tão tão bem ouvir isso. São beijinhos, mas na alma, sabes?

    ResponderEliminar
  8. Sem justificação mesmo. Foi a 1ª vez que desmaiei em toda a minha vida ;s Oh, mas gosto de agradecer (:

    ResponderEliminar
  9. sim estava demasiado fraca ;s obrigada, mil obrigadas!

    ResponderEliminar
  10. ohhh, e eu ando-me a apaixonar pelo teu blog*

    ResponderEliminar
  11. "porque tu és o meu grande amor, e um grande amor nunca morre." - é verdade que um grande amor nunca morre mas as vezes devemos amar apenas e lutar por coisas que nos merecem e nos ffazeem felizes, os nossos objectivos *-*


    -obrigada (:

    ResponderEliminar
  12. Adoreeeeiii! colei para o meu blog com o teu nome e link para o teu no fim :) escreves lindamente tens noção? :)

    ResponderEliminar
  13. Um grande amor nunca se esquece , guardara sempre algo especial no nosso coracao!

    sim sinto falta de muita coisa , e a vida !

    ResponderEliminar
  14. "porque eu prefiro esfolar os joelhos, apagar a alma e cansar o corpo, para o resto de nós não se romper e para correr atrás do que sobra de ti – porque tu és o meu grande amor e um grande amor nunca morre.
    Não importa se eu morrer, só não podes morrer tu, porque tu vais ser o que vai restar do nosso amor, como prova, que um grande amor nunca morre - pelo menos não de todo.
    Depois disso, de morrer, eu já posso ir renascer num outro corpo, porque tu serás o meu grande amor, mas só neste meu corpo - ou no que resta dele. Preciso de conquistar um pouco de amor-próprio, depois de morrer, e só poderei fazê-lo noutro corpo longe do teu. Porque se não seria de novo uma tentação, quereria então eu morrer depois de nos apaixonarmos, e de pouco depois, ficar outra vez de coração na mão. E um corpo a ressuscitar de um amor deste, daqueles amores nunca morrem, demora muito, muito mais do que eu possa contar. Porque um grande amor nunca morre. E eu hei-de morrer."
    fiquei completamente parva com esta última parte, Mafalda. li isto em voz alta e tenho a impressão de que se sentem melhor as palavras assim do que a ler mentalmente. está fantástico, está lindo. nem sei o que dizer, acho que foi dos melhores textos que li, não só dos teus, como de todos os outros textos que já li no decorrer de toda a minha vida. adoro.

    ResponderEliminar
  15. eu faço numa instituição de solidariedade aqui na minha localidade. Eu faço com as crianças que são tiradas aos pais e depois vao para lá até lhes ser dada uma nova familia. Aconselho-te a fazeres muda a vida de qualquer um +.+

    ResponderEliminar
  16. pois, eu vou hoje para lá e volto domingo. está bimm!! depois diz-me alguma coisa.

    ResponderEliminar
  17. "Porque um grande amor nunca morre. E eu hei-de morrer." AMEI :|

    ResponderEliminar
  18. não sabia em qual blog entrar, para ler. mas entrei neste, e gostei ^^
    escreves mais em qual???
    beijinho

    ResponderEliminar
  19. obrigada mafalda, também gostei muito do teu ;x

    ResponderEliminar
  20. Como sempre foi sentido +.+
    Sim é el não é assim tao nova :p

    ResponderEliminar
  21. espero mesmo que seja querida, os beijinhos nao obvio :) Muito obrigada pelo feedback que tens dado ao meu blog minha querida, tens sido mesmo inspiradora com as tuas palavras :)

    ResponderEliminar
  22. Eu também não sei decidir, por isso pus todos:)
    Ahah e eu como morangos com iogurte todos os dias:D Um dia dou, sim...

    ResponderEliminar
  23. Oh minha querida faz boa viagem e desfruta dessas férias merecidas :) OBRIGADA, MIL OBRIGADAS!

    ResponderEliminar
  24. infelizmente esses são grandes males que cada vez mais se propagam de uma forma incrivel na nossa sociedade, infelizmente, meu bem.

    ResponderEliminar
  25. é complicado aproveita-lo sozinha ... :x

    ResponderEliminar
  26. Mas eu sei que vais conseguir conciliar tudo. E olha que estudares com os ares do algarve, nao me parece mau de todo :) Boa sorte e que tudo te corra bem!

    ResponderEliminar
  27. Está tão bonito (: é bem verdade, aconteça o que acontecer, haja o que houver um grande amor nunca morre, pelo menos sempre resta qualquer coisa que um dia seja o suficiente para se agarrar e fazer crescer de novo *

    ResponderEliminar
  28. desculpa, apaguei os meus dois blogs porque com um deles arranjei bastantes confusões para o meu lado e aquilo não fazia mais sentido mas acho que o "pensamentos perdidos" não tem nada a ver com os erros e decidi voltar para ele, obrigada por continuares a seguir atentamente o meu blog querida (:

    ResponderEliminar
  29. obrigada :) também segui o teu!

    ResponderEliminar
  30. por uma grande amor nunca morre, mesmo.
    subscrevo.

    ResponderEliminar
  31. Líndissimo! Adorei :') "Um grande amor nunca morre", verdade.

    ResponderEliminar
  32. Apaguei o meu Blog por motivos pessoais :s
    Apesar de nao te conhecer bem dá para reparar que é uma pessoa fantástica, sempre que precisares de alguma coisa ja sabes diz-me. Adiciona se quiseres, vá beijinho.

    Daniela_e1lvira@hotmail.com

    ResponderEliminar
  33. os dias não têm sido constantes, minha querida. começo a ficar sem fôlego para aguentar tudo isto. beijinho*

    ResponderEliminar
  34. fantástico Mafalda, fantástico!

    ResponderEliminar
  35. Escreves lindamente minha querida *-*

    ResponderEliminar
  36. ANA BEATRIZ MONTEIRO SARAIVA gostava muito de seguir o teu blog. Se vires isto, deixa-me um comentário para te dar o meu e-mail para me enviares um convite. Obrigada*

    ResponderEliminar