sábado, fevereiro 19

Foste embora V

«Sempre achei bom ser de alguém. Ser de alguém que me tivesse realmente.»
Mas nem tu foste verdadeiro enquanto estavas comigo, nem foste meu realmente.
Tu nunca foste meu meu, e pensar nisto dói, porque houve um período que eu quis que fosses meu, quis muito. Mas quis enquanto queria que seguisse uma ordem inata. Queria muito estar contigo e fazer-te meu mas com direito a todas as paragens. Quis-nos a entrar num autocarro e a percorrer todas as paragens até ao terminal.
Mas na medida em que a ordem inata decorria, havia sempre a hipótese de ires e eu não queria nem podia atropelar esse factor. A minha maneira de lidar com essa hipótese foi fugir disso, e isso era fugir de ti. Era como sair antes do fim da terminal do autocarro.
E por isto, tu nunca foste realmente meu. Nem verdadeiro, porque me iludias todos os dias na nossa viagem.
.
.
.
.
E nunca se tratou de ritmos, nem nunca fui eu que não te quis agarrar, só não queria agarrar a hipótese de ires.Por mim, tinhas ficado. Tu aqui e eu contigo..Mas tu foste embora.

21 comentários:

  1. vai aparecer alguém que vai ficar na viagem de ida e de volta, com certeza! toca a erguer a cabeça, se ele não quis ficar foi parvo!

    Toca a saltar na cama com música à mistura! :p

    ResponderEliminar
  2. infelizmente essas coisas acontecem quando menos esperamos, força querida :)

    ResponderEliminar
  3. iludem-nos sempre numa viagem a qual pensamos que acaba num local fantástico, mas deixam-nos sempre a meio do caminho, e nós so temos 2 hipoteses: ou continuamos a viagem com força, ou estacionamos numa paragem a espera que ele um dia se lembre de voltar...

    ResponderEliminar
  4. dói tanto quando nos deixam à deriva, mas a vida continua!* força

    ResponderEliminar
  5. Gostei, estou espantada! Cada vez melhor *.*

    Uma ideia de desconfiança, pesadelos ocorrem acordada e a dormir e são constantes, do mesmo modo, os medos :s

    ResponderEliminar
  6. é mesmo, a música é essencial. ainda bem que gostaste, mafalda :)

    ResponderEliminar
  7. oh minha fofinha, em relação a este texto costuma-se dizer: o que é nosso volta sempre. se não voltar é porque não é realmente nosso. o tempo mostra tudo. fecha e abre portas, ganha-se e perde-se oportunidades, a vida é tão complicada. mas o melhor a fazer é irmos ao ritmo dela, ela não precisa de nós para nada.
    quanto a ti, ai, quem me dera que estivéssemos pertinho uma da outra, porque merecias o maior abraço do mundo! és linda, e és um orgulho para mim! das melhores pessoas que conheci aqui e acredita que te guardo sempre no coração. o teu apoio é essencial. eu estou aqui, para tudo. á distancia de uma mensagem, de um comentário. mereces! mereces dedicação da minha parte.
    e eu prometo que irei ter força nisto, nunca fui de desistir da vida, portanto, é agarra-la de frente! <3

    ResponderEliminar
  8. "nunca se tratou de ritmos, nem nunca fui eu que não te quis agarrar, só não queria agarrar a hipótese de ires. Por mim, tinhas ficado. Tu aqui e eu contigo.
    Mas tu foste embora"

    Só com isto, o post ficaria perfeito. Adorei, mesmo

    ResponderEliminar
  9. Eu quis uma viagem eterna, mas ele decidiu sair, deixando um bilhete cujas entrelinhas dizem "vou voltar".
    Ainda não voltou...
    Estou numa viagem em que passam pelo seu lugar outros que o podiam tomar mas não, não é o mesmo molde, não resulta o encaixe.
    Estou sempre à espera que a próxima paragem seja a dele e eu não saia, mas volte ele a entrar.

    ResponderEliminar
  10. Não sei se já agradeci pelas tuas palavras, pois tenho andado um pouco distante daqui, mas pronto, mais uma vez obrigada!

    ResponderEliminar
  11. há que ter força! se parti e for realmente teu, voltara, quem sabe se não voltam a percorrer a terminal até ao fim!

    ResponderEliminar